segunda-feira, 28 de março de 2016

Missão cumprida. Obrigado por tudo, pessoal!

Hoje, eu quero dividir e ao mesmo tempo multiplicar um momento muito especial com os meus amigos.  Há  quase nove anos na Volkswagen, como gerente de comunicacão, estou deixando essa fantástica empresa no próximo dia 31 de março. Saio com o sentimento de dever cumprido.  Animado e com energia em busca de uma nova missão, uma nova cultura, novas metas e novas realizações profissionais e pessoais.  Sou profundamente agradecido aos meus colegas da Volkswagen e aos jornalistas de Norte a Sul do Brasil por todas as experiências por todos os encontros nesse valioso período. Acima de tudo, obrigado pela amizade, pelo respeito e pelos ótimos bate-papos nos mais diversos sotaques e humores brasileiros. Uma experiencia única! Agradeço pelas calorosas mensagens já recebidas através dos posts muito bacanas de meus amigos que já comentaram o assunto. Mas isso não é uma despedida! É apenas o final de uma etapa. A carreira continua! Nessa era digital, não há motivos para despedidas. Afinal, somos profissionais de Comunicação. Estaremos nos comunicando e nos reencontrando por meio desses canais digitais. Até nos encontrarmos pessoalmente!


 1. Entrevista Gilberto dos Santos a Jornalistas&Cia

2. Video de despedida da Volkswagen:

video



domingo, 20 de março de 2016

O mundo encantado das crianças

Hoje o William completa 10 anos de muita saúde, alegria e bom humor. Ele tem sido para mim por esse período uma de minhas principais fontes de inspiração, de luta e de amor. Adoro ver o William curtindo, pessoalmente e não virtualmente, suas pequenas mas grandes amizades nesse mundo encantado das crianças. Mundo em que as mídias sociais estão tomando o lugar dos encontros e das brincadeiras reais, dos olhos nos olhos. Do abraço carinhoso entre as as crianças. Adoro ver o meu menino curtindo, por exemplo, o seu futebol ao lado de meninos da mesma faixa etária em busca do mesmo gol nas partidas da vida. Assim como nós um dia, as nossas crianças começam a formar nessa fase um dos seus maiores patrimônios na vida, que é o seu circulo de amizades. Parabéns, William! (Nas fotos com a camisa verde da Seleção Brasileira)

sábado, 19 de março de 2016

Você está lutando pelo Brasil ou pela Jararaca?

Somos todos brasileiros e certamente queremos todos o melhor para nossas crianças, nossas famílias, nossos amigos. Enfim, queremos todos um Brasil melhor para todo mundo. Independente das cores que estamos usando. Mas hoje estamos divididos. O que você faria se visse seus queridos sendo picados por uma cobra, especialmente se fosse uma jararaca? Envenenados em sua saúde e educação. Você iria protegê-los ou defenderia a Jararaca? O Brasil está doente com tantas picadas da Jararaca? Do lado de quem você está?

segunda-feira, 7 de março de 2016

Jararacagate: a cobra, a justiça e a imprensa no Brasil


Nunca em sua história o Brasil foi tão picado pela Jararaca. O país está doente e vai caminhando aos trancos e barrancos, com várias cobras peçonhentas pelo caminho. Sob o efeito do veneno da Jararaca, o  brasileiro já vê um dragão crescendo na forma da inflação. Não dá nem para pensar em voltar a brigar com o patrão por  reajuste salarial, como nas antigas lutas sindicais. É tarde demais. A Jararaca já picou também o patrão e o seu emprego. A cobra andou sorrateira e injetou seu veneno na Petrobras, um dos maiores patrimônios nacionais. Conseguiu dar uma boa "mordida" no próprio capital dos trabalhadores. O País perdeu a confiança dos brasileiros e dos investidores externos em sua saúde e em sua estabilidade. Foram-se os investimentos, os deles e os nossos. Não há soro antiofídico para essa mordida da Jararaca. O País definha sob os olhos indiferentes de Brasília. Mas felizmente a Polícia Federal, representando a Justiça brasileira, não dorme à noite. O escândalo noturno veio à luz. Caíram a moral, o moral e o mural vermelho estrelado. Sobraram lamentavelmente apenas a ilusão e o fanatismo provocados pelo veneno da Jararaca. A imprensa brasileira, a exemplo do caso Watergate, está cumprindo o seu papel, colocando holofotes na corrupção e na astúcia da serpente, que prepara o seu último bote. As cobras solidárias também estão agitadas com a vacina do impeachment e reagem como podem para não perder o poder, o veneno, enfim, o acesso ao dinheiro público. Mas o Brasil de Vital Brazil, que desenvolveu o soro contra o veneno dessa cobraé muito maior do que a Jararaca. Ela Vai passar. Isso porque "a pátria mãe tão distraida", como dizia Chico, está acordando de novo. Amanhã vai ser outro dia! http://www.clubemusicas.com/ouvir/9/Chico-Buarque---Vai-Passar/5WVSXBih.html --- http://brasilescola.uol.com.br/historiag/escandalo-watergate.htm

sexta-feira, 4 de março de 2016

Era uma vez a Jararaca

A Jararaca vive em cerrados e florestas. Seu tamanho médio é de 1,20 cm de honestidade e competência. Grande parte dessa espécie possui vida noturna, pra ninguém ver como ela rasteja nem o que ela anda fazendo para aplicar o seu veneno. Por muitas vezes eu via com meus próprios olhos a grande Jararaca subindo em caminhões de assembleias e depois em palanques pra fazer um discurso eloquente. Discurso de serpente pra convencer a nação de que não havia dentro dela uma alma mais honesta. Até acho que, quando ela tinha aquele tamanho, ela era honesta. Mas a Jararaca cresceu com a sua língua afiada de tal maneira que tudo o que ela falava parecia verdade. Seu veneno estava guardado. Até que finalmente ela deu seu bote fatal nos bolsos de todos os trabalhadores da Nação, os quais ela prometia defender de coração. Ela sempre dizia que não sabia de nada. A velha cobra criou seu próprio ninho de jararacas e trouxe para dentro dele outras cobras da região, como a Jararaca Hugo Chaves, para citar um único exemplo. Essa já provou de seu próprio veneno e foi-se para sempre. A grande Jararaca brasileira, no entanto, está hoje se gabando de que não lhe acertaram ainda a cabeça, apenas o rabo. Não importa. Ela também já tomou de seu seu próprio veneno de corrupção e mentira crônica. Esse veneno, quando pega, é fatal. Seja na cabeça ou seja no próprio rabo. É apenas uma questão de tempo. Era uma vez a Jararaca!