segunda-feira, 9 de julho de 2018

A queda do mundo

Que cena! A menininha de mais ou menos cinco anos descia correndo a pequena rampa para encontrar alegremente o seu pai. "Cuidado com o celular!", ele gritou. Mas infelizmente a menininha se desequilibrou e caiu com o celular no chão, literalmente aos pés de seu querido pai. Chorava estendida no chão. O pai preocupado, rapidamente, agachou-se e pegou o celular, avaliando primeiro o impacto da queda no aparelho, que certamente tinha lhe custado caro. Depois, ajuda a filhinha a se levantar. E repreende a sua mãe pelo descuido de deixar o aparelho tão valoroso nas mãos de uma criança. A mãe também demonstrou maior preocupação com a queda do celular. A criança continuou chorando. Triste demais isso. Pais, pais, pais, essa cena representa a queda geral de nosso amor e de nossos valores. É a própria queda do ser humano e da humanidade. Afinal, o que não tem preço hoje?

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Sem energia não temos luz


Vamos dividir o mundo em dois grupos de pessoas. Um é formado por aquelas com capacidade natural de produzir energia enquanto outro vive apenas do consumo ou da crítica sistemática daquela produção. Por isso, durante toda a existência humana na Terra existe o constante choque elétrico dos dois grupos, ou dos dois polos. Você certamente conhece e admira pessoas criadoras de energia por
causa de sua alegria, felicidade, sabedoria, equilíbrio, saúde, serenidade e bom humor.  Tem quem gera energia natural com muito trabalho e fé e por isso são exemplos de sucesso. Há ainda quem gera energia e a gente nem sabe explicar direito por quê. Por outro lado, você deve conhecer também pessoas que são total ou parcialmente dependentes da energia produzida ao seu redor. Elas não geram a sua própria energia e normalmente vivem questionando ou reclamando de energia externa insuficiente para tocar suas vidas. Vivem como sanguessugas da energia dos geradores humanos de potência. São mal agradecidas e nunca estão no claro, pois vivem constantemente na sombra de suas vidas.  Nunca estão satisfeitas, não respeitam o próprio espaço, muito menos o espaço dos outros, porque são sempre inquilinas na vida. Cabe ao homem ou mulher, em qualquer fase de sua geração de energia, preservar sua autoestima, sua fé e esperança, sua saúde, sua alegria e paz,  e lançar assim uma potente luz sobre as pessoas que elas amam e que sabem valorizar seu calor. Está claro?

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Perigo no trânsito 365 dias por ano


Que tipo de motorista dirigindo por perto você considera mais perigoso para a sua segurança e de outros motoristas ou pedestres? O que está alcoolizado, atrasado, cansado, desequilibrado emocionalmente, despreparado, imprudente, sonolento, míope, doente ou o que está conectado ao celular? Independentemente de sua opção, o fato é que ao seu redor estão dirigindo todos esses tipos de motoristas ao mesmo tempo, 24 horas por dia, 7 dias por semana, 30 dias por mês e 365 dias por ano. E ainda assim você acha que chegar em casa são e salvo não é um privilégio ou mesmo um milagre?  Estamos nos movimentando diariamente dentro no maior caos do mundo e já nos acostumamos com o perigo. De acordo com pesquisa do Observatório Nacional de Segurança Viária, 9 de cada 10 acidentes ocorrem por falhas humanas. O melhor que a gente pode fazer é não dirigir em nenhuma daquelas condições e ainda se preparar para qualquer tipo de manobra defensiva no trânsito. Salve-se quem puder!